O Git é um sistema de versionamento de arquivos através do qual é possível desenvolver projetos nos quais diversas pessoas possam contribuir simultaneamente em um mesmo arquivo ou outros sem correr o risco de que suas alterações sejam acidentalmente sobrescritas.

Sua origem se deu devido ao fato de os desenvolvedores do kernel do Sistema Operacional (SO) Linux se sentirem insatisfeitos com o sistema proprietário BitKeeper, que era a forma com a qual eles versionavam o SO.  Antes que você comece a falar “mas Hugo, Linux não é software livre“? Sim, ele é. Contudo, eles conseguiram uma licença gratuita.

Existem diversas ferramentas para controle de versão, a exemplo do Subversion (SVN) e o Mercurial. Contudo, sem sombras de dúvidas, a melhor opção (ou pelo menos a mais aclamada) para grande parte dos projetos é o Git.

Com o Git é possível trabalhar com segurança em times de todos os tamanhos. Além de você poder criar um repositório local, você também poderá trabalhar com servidores remotos, o que viabiliza diversos projetos de software livre, pois eles tem colaboradores do mundo inteiro!

Existem alguns clientes do Git que são muito utilizados, sendo os principais o Github, Gitlab e Bitbucket. Estas ferramentas viabilizam a criação de repositórios públicos ou privados, armazenados na nuvem. Convém ressaltar que cada uma delas propõe estratégias diferentes para a criação destes repositórios. Por exemplo, para ter projetos privados no Github é necessário ter uma licença premium, a qual você poderá obter através do pagamento de um valor ou via student pack.

O Git é uma ferramenta muito interessante, pois além de facilitar o trabalho remoto e distribuído, pode ser utilizado por pessoas em qualquer tipo de projeto (não necessariamente no desenvolvimento de softwares). Afinal, quem nunca fez aquele texto, planilha ou apresentação e acabou versionando através do nome do arquivo (“Layout.psd”, “Layout1.psd”, “Layoutfinal.psd”, “LayoutAgoraVai.psd”)? Pois bem, o git veio para resolver, também, os seus problemas.

O git está disponível para Windows, Mac OS X e Linux:

Leia a segunda parte deste material.

Deixe uma resposta